Símbolos Natalinos

Compartilhe:

No dia de Natal comemora-se o nascimento de Jesus Cristo. Na antiguidade o Natal era celebrado em várias datas diferentes, pois não se sabia com exatidão quando de fato Jesus havia nascido. Somente no século IV que o dia 25 de dezembro foi estabelecido como data oficial. Na Roma Antiga era também comemorado o início do inverno. Portanto, acredita-se que haja uma relação deste fato com a oficialização da data.

As antigas comemorações de Natal costumavam durar até 12 dias, pois este foi o tempo que os três reis magos levaram para chegarem até a cidade de Belém e entregarem os presentes (ouro, mirra e incenso) ao menino Jesus. Hoje, é comum que as pessoas montem as árvores e outras decorações natalinas no começo de dezembro e desmontá-las até 12 dias após o Natal.

O Natal, como uma expressão de fé e de cultura, possui inúmeros símbolos. E é através destes que a comemoração ganha o seu significado. Muitos são os símbolos natalinos, mas apesar de serem facilmente reconhecidos em todos os lugares do mundo, nem todo mundo conhece seus verdadeiros significados.

Árvore de Natal

arvore de natalA árvore natalina é um dos principais símbolos – sendo mais antigo que o próprio sentido do Natal. Aproximadamente dois milênios antes do nascimento de Cristo, os povos indo-europeus já utilizavam-a com fins religiosos, pois acreditavam que elas eram uma expressão da energia de fertilidade da ‘mãe natureza’.

Simbolizando, antes de tudo, a vida, a tradição é a mais antiga da época e começou com os egípcios, que traziam galhos verdes para dentro de suas casas no dia mais curto do ano no mês de dezembro. O costume de ornamentar a árvore surgiu do hábito dos druidas, os ‘conselheiros’ decoravam velhos carvalhos com maçãs douradas para as festividades deste dia.

A primeira referência a uma ‘árvore de Natal’ é datada no século XVI. Na Alemanha, famílias ricas e pobres decoravam as árvores próximas a suas casas com papel colorido, frutas e doces. A tradição se espalhou rapidamente pela Europa e chegou aos Estados Unidos pelos colonizadores alemães. Logo, o símbolo passou a ser popular em todo mundo.

Pinheiro – a única árvore que não perde suas folhas durante todo o ano. Permanece sempre verde e viva. Usada pela primeira vez pela rainha Elizabeth, o pinheiro foi o destaque de uma grande festa de Natal da família real. Por conta dos inúmeros presentes e não podendo recebê-los todos pessoalmente, a nobre pediu que fossem depositados em baixo de uma árvore no jardim. Daí o costume, comum até os dias de hoje.

Bolas coloridas – simbolizam os frutos da ‘árvore vida’, ou seja, Jesus Cristo.

Papai Noel

papai noelA maioria dos pesquisadores afirmam que a figura do bom velhinho foi inspirada no Bispo Nicolau. Nascido na Turquia, o ‘homem de bom coração’ costumava ajudar anonimamente quem estivesse em dificuldades financeiras, deixando sacos com moedas de ouro próximas às chaminés das casas.

Foi canonizado pela igreja católica (São Nicolau), após várias pessoas relatarem milagres atribuídos a ele. A associação de sua imagem ao Natal começou na Alemanha e espalhou-se pelo mundo. Nos Estados Unidos, ganhou o nome de Santa Claus, no Brasil é chamado por Papai Noel.

O esteriótipo de Papai Noel que conhecemos hoje, com roupas vermelhas e barba longa e branca foi obra do cartunista alemão Thomas Nast, apresentada na revista Harper’s Weeklys, em 1881.

Guirlanda

GuirlandaO adorno natalino, originalmente confeccionado com galhos de pinheiro, pode também ser feito com flores, frutas e/ou ramagens entrelaçadas, enfeites vermelhos, laços e velas. A guirlanda avisa que as festas estão chegando, além de darem as boas-vindas aos visitantes. Têm o mesmo significado de prosperidade, fertilidade e abundância que a árvore de natal.

Durante todo o mês de dezembro a guirlanda é utilizada nas casas. O uso de tal símbolo refere-se a Roma Antiga, pois para os romanos oferecer um ramo de planta significa um voto à saúde e expô-la nas portas favorece a saúde de todas as pessoas da casa.

Presentes

presentes natalExistem muitas origens para este símbolo. Em uma delas é contado que São Nicolau – o mesmo que deu origem ao Papai Noel – presenteava as pessoas mais humildes no período natalino. Outra tradição mais antiga remete o ato de presentear entes queridos aos três reis magos, que presentearam Jesus. O dia e o motivo de dar e receber presentes varia de cultura para cultura.

Os romanos, há mais de 1500 anos, tinham o costume de enviar presentes aos amigos no início do ano. Tal hábito coincidia com os festejos ao deus Janus – com duas caras ele olhava para o ano que começava e para o que terminava – daí as origens do reveillon e demais comemorações de fim de ano.

Sinos

sinosSimboliza o respeito ao divino e representa o ponto de comunicação entre o céu e a terra. Remete também ao ambiente rural, o tempo da igreja matriz e seus sinos e toques de aviso e de convocação para a vida e para a morte.

Os sinos, durante séculos, foram utilizados para chamar as pessoas e anunciar tanto boas quanto más notícias. No mês de dezembro a boa notícia é o nascimento de Jesus Cristo.

Presépio

presepioUm dos símbolos mais comuns no Natal dos países com uma maior concentração de católicos, é a representação do cenário onde Jesus Cristo nasceu.

A palavra presépio refere-se ao local onde o gado é colocado ao ser recolhido, ou seja, o curral. Em meados do século XIII, São Francisco de Assis fez uma pregação, em uma noite de Natal, acerca do nascimento de Jesus e com a autorização do papa decidiu montar um cenário.

A encenação apresentava o menino Jesus, Maria, José e os três reis magos em um presépio de palha rodeado por um boi e um jumento. A representação repercutiu em toda a Itália e em pouco tempo as famílias europeias da nobreza já tinham seus presépios em casa.

Vela

velaAs velas de Natal representam a luz das estrelas que os três reis magos seguiram para encontrar o menino Jesus. Para os cristãos, as velas simbolizam o amor e a fé concedida a Deus. Há vários tamanhos e formatos, geralmente de cores vermelha ou branca.

Até a descoberta da energia elétrica há 100 anos, a vela, a lamparina e as tochas foram as principais fontes de luz. A chama dava segurança e calor, por isso na antiguidade alguns povos cultuaram o fogo como divindade.

Comidas

ceiaNatal, na maior parte do mundo cristão, significa comida. O simbolismo que o alimento tem na mesa no dia da celebração vem das sociedades antigas que passavam muita fome e encontravam em algum tipo de carne uma forma de reverenciar a Deus e a Jesus.

Geralmente, à mesa, era servido carnes de porco e de ganso – mais tarde substituído por peru e peixe. Uma série de bolos e massas fazem o acompanhamento.

Para algumas pessoas, a ceia natalina está ligada à última ceia de Jesus Cristo ao lado de seus discípulos. Porém, segundo a literatura, originou-se do antigo costume europeu de deixar as portas abertas no dia de Natal para receber viajantes e peregrinos, esses juntavam-se a família hospedeira e todos confraternizavam.

Estrela

EstrelaSegundo a bíblia, quando Jesus nasceu uma estrela anunciou seu nascimento e guiou os três Reis Magos (Baltazar, Gaspar e Melchíor) desde o oriente até o local onde nasceu Cristo.

Astrólogos da Antiguidade tinham o costume de acreditar que alguns fenômenos da natureza aconteciam em razão do nascimento de um rei, motivo pelo qual teriam considerado a aparição da estrela como prelúdio do nascimento de Jesus.

Essa estrela recebeu o nome de Estrela de Belém e seu brilho intenso representaria Jesus como a luz do mundo. Hoje é lembrada pelo enfeite que é colocado no topo da árvore de Natal.