Símbolo da Medicina

Não é tarefa das mais fácies descobrir a origem e o significado dos símbolos das profissões. Embora a maioria das insígnias façam parte do cotidiano de muitos profissionais, a história e a razão da escolha das mesmas são esquecidos com o passar dos anos.

Na medicina, duas insígnias são associadas à profissão: o Bastão de Esculápio (também chamado de Asclépio) e o Caduceu de Mercúrio (ou Hermes). Ambos os símbolos têm origem na mitologia grega, no entanto, somente o Asclépio é, de fato, o símbolo da medicina.

A confusão é pertinente e existe desde o Renascimento (século XIV-XVII). O Bastão de Esculápio sempre foi o símbolo da medicina. Já o caduceu – mais antigo que o bastão – sempre esteve associado ao comércio. De início já dá para notar que ambos não possuem uma relação direta, como imaginado. Mas como o símbolo do comércio passou a ser relacionado à atividade médica?

Caduceu de Mercúrio

Caduceu de Mercúrio

Segundo a mitologia grega, Hermes (Mercúrio) assim que nasceu mostrou ser muito inteligente e Júpiter, o seu pai, surpreso com a sagacidade do filho, não hesitou em nomeá-lo seu mensageiro e a colocá-lo a serviço de Plutão. Esse último atribuiu ao jovem a tarefa de conduzir os mortos ao seu reino (inferno). Na Antiguidade, os homens que procuravam os mortos e feridos nas guerras levavam em seu uniforme o caduceu – que tomou o formato que conhecemos porque fora lançado entre duas serpentes que lutavam e, as mesmas, ao se entrelaçarem na haste, cessaram com o conflito. Surgiu então a associação do símbolo a serviços de saúde. Por Hermes, também ser o deus do comércio, das estradas e dos viajantes, o caduceu passou a ser associado às práticas mercantis.

Entendido os motivos da confusão, o símbolo que representa a atividade médica é, como já citado, o Bastão de Esculápio. A insígnia também pode ser chamada de Asclépio – filho de Apolo, mas criado pelo centauro Quiron, este último foi quem lhe ensinou a usar, corretamente, as plantas medicinais.

Bastão de Asclépio

Bastão de Asclépio

Asclépio tornou-se um médico famoso e, segundo a mitologia grega, além de prestar atendimento aos enfermos, passou a ressuscitar os mortos – por conta disso foi fulminado por Zeus com um raio. Após a sua morte, passou a ser cultuado como o deus da medicina e ganhou várias esculturas, sendo quase sempre representado com um bastão com uma serpente em volta – o qual tornou-se o símbolo da medicina